Por melhor que seja a gestão da sua empresa, é praticamente impossível que não haja, ao longo do histórico de um negócio, algum momento de crise. Erros por parte da equipe, problemas financeiros, reclamações dos clientes… Ou seja, qualquer eventualidade negativa que acabe saindo do controle pode ser considerada uma crise, o importante é ter cautela para conseguir gerenciar a situação, antes que culmine em maiores consequências ou até no encerramento das atividades.

A crise empresarial pode ocorrer por conta de vários motivos, mas a causa atual que vamos trabalhar é a recessão mundial com a crise do COVID-19.

De acordo com a Diretora Geral do Fundo Monetário Internacional, Kristalina Georgieva, a pandemia causou recessão econômica que pode ser até mesmo pior do que a crise financeira de 2008. A Diretora Geral afirma que o impacto será grave, com perspectivas de crescimento mundial negativas, mas é esperado uma recuperação em 2021.

A pandemia obrigou muitos países a suspenderem voos, fecharem fronteiras, encerrarem escolas, universidades, centros comerciais, limitando os deslocamentos e isolando as pessoas em casa em prol da saúde mundial. Dessa forma, as atividades econômicas foram modificadas. Ocorreram mudanças nas estruturas de trabalho (suspensão ou passagem das atividades para o home office), bem como forte impacto em trabalhadores autônomos e informais.

A gestão de crises

Para entender melhor, vamos falar sobre alguns tipos:

  • Crise econômica: más decisões, danos nas vendas, problemas na economia mundial, etc. Bastante interligado com a crise financeira, que se trata de um fluxo de caixa inferior ao necessário.
  • Crise de imagem: em tempos modernos, problemas de imagem podem tomar proporções gigantescas, afetando também a reputação da empresa. Por isso, a crise de imagem pode estar interligada com a crise de reputação e crise por boatos: acusações, vazamento de informações, conduta corrupta ou problemas com a satisfação dos clientes.
  • Crise por conta de questões legais: processos judiciais, indenizações, ou até mesmo crise por conta de ações criminosas, sabotagens, fraudes, etc.
  • Crise por conta de desastres: há os desastres industriais, falhas em equipamentos, etc. Há também a crise por conta dos desastres naturais, calamidades, enchentes, terremotos ou ainda crises de saúde pública, como é o caso do COVID-19.

Parta para a resolução dos problemas:

A crise, principalmente quando se desenrola com um evento tão preocupante como o COVID-19, é um período que exige inúmeros cuidados com a saúde física e mental das pessoas, mas que também demanda uma série de decisões rápidas que vão impactar diretamente na saúde financeira de todas as empresas.

A gestão de crise precisa levar em conta todas as variáveis, pois a resposta pode determinar se a empresa se reerguerá ou terá danos irreparáveis.

Passo a passo para cuidar da saúde da sua empresa e minimizar os impactos negativos

  • Reconheça a crise

  1. Diagnóstico, agilidade e assertividade fazem total diferença na redução dos impactos negativos. Para isso, compreenda a economia e faça um balanço da situação da sua empresa.
  2. Faça um mapeamento empresarial, entre em reunião com a equipe e escute cada um: nada melhor do que entender cada etapa ouvindo quem participa delas.
  3. Monitore as ações da sua empresa, mantendo as reuniões e traçando metas. No mercado, existem serviços que fornecem monitorização e a capacidade de reportar resultados. Indicamos os Alertas do Google e o Hootsuite, por exemplo, para as redes sociais e outros meios mais tradicionais.
  • Identifique a equipe para o “comitê de crises”

Escolha a equipe que fará parte desse trajeto: os chefes das divisões organizacionais, advogados e líderes essenciais para o momento. Mas não esqueça!

  • É essencial ter um plano de comunicação

Os colaboradores precisam estar informados sobre o posicionamento da empresa e como eles devem agir.  Esclareça todos os fatos com os seus funcionários, deixe que seus colaboradores expressem sua visão sobre os acontecimentos, fortifique a comunicação interna da sua empresa.

Poderá também, para o público, fazer uma “declaração de controle”, um comunicado projetado para explicar como a empresa lidará com a situação – no caso do COVID-19, é interessante reiterar que os trabalhadores passarão ao home office e que a empresa se preocupa com os funcionários.

  • Foque na resolução

Com o diagnóstico feito, é hora de tomar as decisões que minimizarão os impactos (reduzir custos, pedir desculpas aos clientes afetados, etc.). Você precisará definir um plano de ação, lembrando sempre da gestão 360°, que olhará para todos os setores integralmente.

Estabeleça um plano de continuidade para que as tarefas essenciais se mantenham ativas e, se quiser uma metodologia sistematizada, indicamos o Design Sprint, com foco na resolução de problemas de maneira colaborativa e ágil.

  • Estabeleça o pré-crise

Observe o que deu errado e o que poderia ter sido feito. Caso não costume ter um pré-crise, é hora de estabelecer reuniões de equipe para antecipar potenciais problemas e organizar as próximas atuações. O gerenciamento de crise serve para o curto prazo, mas também para que no futuro haja menor chance de erro.

Se quiser saber mais sobre como cuidar da sua empresa, confira o nosso artigo sobre saúde empresarial. Além disso, estamos disponíveis para orientações online, diagnósticos gratuitos e mentoria para gestão de crises. Queremos te ajudar!

Fale com um consultor

Leia também