Não é novidade que a pandemia trouxe um jeito diferente de fazer negócios. Em meio ao “novo normal”, até marcas conhecidas por sua atuação offline precisaram inovar.  A adaptação ao virtual, que já era tão necessária desde a nova tendência dos negócios digitais virou imprescindível para grande parte dos negócios. 

Em meio a quarentena, também houve aceleração no aumento das transações online, e no grande uso das fintechs (Nubank e Warren, por exemplo), empresas de serviços financeiros facilmente acessíveis e 100% online. É nesse cenário que surge o PIX, sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central.

Conheça o PIX e as suas diversas vantagens

O PIX é, na realidade, uma alternativa para transferir dinheiro de forma mais rápida. 

O PIX veio para somar, e não irá substituir as formas de pagamento TED, DOC, Cartões de Crédito e Débito e nem o boleto. Ele trará um novo paradigma: as transações instantâneas, modificando o modo como as empresas recebem pagamentos.

É um meio de transação rápida, sem espera de dias, que funciona tanto para pessoa jurídica quanto física. Uma ferramenta excelente para quem quer mais facilidade na hora de lidar com o cliente na era digital.

Quando o PIX será implementado?

O sistema abre hoje, dia 16 de novembro, prometendo segurança e rapidez, após duas semanas de testes com consumidores selecionados. Sua ampla estreia acontece após um mês de cadastros das chaves do PIX, que atingiu recentemente os 71 milhões de cadastros, segundo o Banco Central. As instituições financeiras realizaram uma verdadeira corrida pela atenção dos consumidores, tendo em vista que cada indivíduo tem direito a cadastrar 5 chaves – entre elas, o número do CPF e celular – e elas são de uso exclusivo na instituição cadastrada.

Quais são as vantagens do PIX?

As transações financeiras pelo PIX são feitas em até dez segundos, e seu funcionamento é 24 horas, em qualquer dia do ano, inclusive fins de semana e feriados. As vantagens não se resumem ao quesito tempo, mas também na praticidade: a realização de transferências pode ser feita utilizando apenas CPF ou celular do destinatário, sem oferecer a grande lista de dados como usados no TED e DOC.

O PIX também deve eliminar parte dos custos de transações (algumas instituições chegam a cobrar mais de R$20 por um TED, por exemplo), e esse barateamento é um benefício incrível para empresas na hora de pagar salários, fornecedores ou impostos. 

O novo sistema digital muda muito a experiência que o cliente tem com a sua empresa. É vital para uma cultura customer centricity pensar na necessidade de facilidade e rapidez para o consumidor. O aumento da satisfação dos seus clientes ao utilizarem facilmente os serviços da sua empresa é uma certeza que você pode ter. 

O que é o pré-cadastro no PIX?

O pré-cadastro é como uma declaração da sua vontade de participar do PIX, sinalizando ao seu banco o cadastro da sua chave. As instituições financeiras estão entrando em contato com os seus clientes (pessoas físicas ou jurídicas) de diferentes maneiras, na intenção de definir o pré-cadastro, mas ele é opcional. Se o empresário já informou o CNPJ no cadastro antecipado, a informação precisa ser validada novamente – opção disponível desde o dia 5 de outubro – para concluir o cadastro. 

Como funciona o cadastro para as empresas?

O cadastro para empresas não é diferente do cadastro para pessoas físicas. Primeiro, você precisa já ter uma conta corrente, poupança ou de pagamento em uma instituição que presta serviços financeiros. O serviço do PIX ocorre dentro dos canais do seu banco e não há restrições quanto ao tamanho da empresa que poderá aceder ao serviço (desde microempreendedores individuais até grandes negócios podem aderir ao sistema). 

A sua empresa apenas precisa informar qual chave PIX vai usar para o cadastro – ou seja, o código que identificará a sua conta, que poderá ser desde o CNPJ até o e-mail, número de telefone ou número gerado automaticamente pelo sistema. É por meio desse código que você fará as suas transferências. Lembre-se: não é possível adicionar uma mesma chave em mais de uma conta.

Também é possível transferir com os dados bancários de quem vai receber o pagamento, como se faz uma TED e DOC – nome completo, CPF, número da instituição, agência e conta – ou mesmo através de QR Codes. Entretanto, a chave é mais rápida e fácil. 

Como funcionam as transações monetárias no PIX?

Segundo o Banco Central, as transações podem ser feitas:

– De pessoa para pessoa

– De pessoa para empresa

– De empresa para empresa 

– Para instituições do governo, no pagamento de impostos e etc.

Será necessário que o pagador e recebedor possuam conta em banco, instituição financeira ou fintech, não necessariamente sendo conta corrente. O PIX será gratuito na maioria dos casos para pessoa física, mas torna-se pago quando, por exemplo, a pessoa decide optar por fazer a transferência PIX por meio físico ao invés do uso digital. Dependendo da instituição, pessoas jurídicas também terão que pagar pelo seu uso.

Comparado a outras formas de pagamentos, o PIX proporciona uma melhor experiência de usuário. A segurança é assegurada pelas transações serem feitas pela Rede do Sistema Financeiro Nacional, além de estar sempre disponível, ser muito conveniente e rápido. 

Adaptar-se ao novo normal é necessário para que as empresas saibam lidar com as necessidades do mercado. Conte conosco para uma consultoria em reestruturação comercial e inove no seu negócio! 

Fale com um consultor

Leia também